A agressividade dos alimentos

Meus queridos amigos, hoje quero falar da agressividade e como proteger-nos dela. Quando suas relações se baseiam na agressividade, perdemos a habilidade da convicção, do raciocínio e o poder de manejar a beleza do intelecto.

As pessoas que praticam a agressividade se distinguem em vários aspectos, alguns deles costumam levantar a voz de maneira excessiva e intimidante, chantagear a outros, enganar e inclusive chegar a violência física. Isso indica que essas pessoas não praticam a bela arte de pensar e refletir, muito menos se aproximam da espiritualidade. Guiados somente por seus fins egoístas, eles vão a diferentes tipos de violência: verbal, psicológica e até piores. Um exemplo disso é o caso das forças militares, outro caso é o dos criminosos.

As forças militares atuais, não tem base no amor ou o respeito dos seres, logram seus objetivos criando temor nos demais. Os criminosos baseiam seus atos somente na violência. Outro exemplo que parece passar oculto, mas que é completamente agressivo é o da indústria agrária contemporânea. Um tema em moda estes dias, pois as pessoas nos campos começaram a dar conta que estão sendo enganados.

Onde se vê a agressividade na indústria agrária?

Na criação das sementes suicidas que não se reproduzem e ademais na toma de patentear elas. Penalizando a reprodução das sementes comuns que tem sido utilizadas ancestralmente durante milhões de gerações mediante a criação de leis que impedem que as pessoas do campo possam reclamar o que é justo, chegando ao ponto de confiscar suas sementes e destruí-las. É tão injusto e agressivo o atuar dessas companhias multinacionais que buscam controlar as sementes e a produção de alimentos, impulsionando leis que penalizam as pessoas que tenham sementes nativas em seus campos. A famosa empresa Monsanto acaba de contratar uma companhia chamada “black water” que é uma organização militar privada dos mercenários mais temidos do planeta. Entre eles já há um contrato de meio milhão de dólares para criar terror para as organizações internacionais que lutam contra os transgênicos, criando discrepâncias entre eles e utilizando quem sabe que outras artimanhas para isto.

A agricultura industrializada e a suposta “revolução verde” não há sido mais que uma grande mentira através da qual se quis invadir os campos agrícolas com químicos que previamente tem sido utilizados para manufacturar bombas, como a ureia, por exemplo. Desta maneira, eles tem tratado de controlar o mercado da comida do Planeta inteiro mediante os fertilizantes que lhes colocam aos cultivos, ademais da imposição de um sistema não natural de monocultivos e da aquisição de terras mediante acordos políticos sujos.

Em um inicio nada se deu conta do que estava ocorrendo, as pessoas pensavam que estas companhias multinacionais estavam trabalhando contra a fome mundial, mas a estas alturas, até o último campesino se tem dado conta da agressividade contra a liberdade. O único resultado detrás disso é: fome e misérias para os campesinos e para todo o resto da sociedade. Imaginem o grave da situação: umas poucas pessoas detrás de umas companhias internacionais estão tratando de apoderar-se da agricultura em todos os países, no mundo inteiro, mantendo os governos subornados ou ameaçados para manter seus interesses egoístas. Isso não é saudável. É agressivo e até detestável. Sem exagerar, podemos qualificar a estas pessoas como sem coração e inclusive sem cérebro, pois sua forma de atuar vai contra dos interesses de seus próprios filhos. Estão em um estado de barbárie muito profundo e necessitam se focar em bons propósitos para salvar o Planeta de um desastre pior do que já existe.
A situação atual está ruim, somente se queremos ir de mal a pior devemos deixar tudo como está e manter silêncio. Caso contrário, devemos fazer algo. No Bhagavad Gita, Krishna disse a Arjuna: “Levanta-te e luta com a espada do conhecimento”, também acrescenta que é preciso agir com amor. Essa é a chave para resolver todas essas problemáticas: converter-nos em ativistas contra todo este desastre, mas ativistas respaldados na não violência e no amor. Porque sem amor não se soluciona nada.

Com todo meu afeto me despeço de vocês, esperando plantar a semente do respeito e a paz em cada um de vocês.

Swami B.A. Paramadvaiti